Tag: Josiane Geroldi

Esticando as Canelas no IFSC – São Carlos/SC
Esticando as Canelas no IFSC – São Carlos/SC

15/03 tem ESTICANDO AS CANELAS – Contos para Enganar a morte. SIM!!!! é isso gente: Zé Malandro nunca morre! E o espetáculo agora tem bônus: meu conhecimento e experiência de causa Emoticon tongue. vai ser no IFSC em São Carlos/SC às 20h. Parceria com o Sesc Chapecó. ‪#‎entendidadoassunto‬, ‪#‎Jojocazémalandra‬
foto: Mariane Kerbes

 

Na Estrada! Sesc Paraná
Na Estrada! Sesc Paraná

Era quinta-feira. Antes passei dois dias na Maloca pra matar a saudade dos meus. Era quinta-feira quando garrei na estrada de novo, e na Sexta-feira 13 lá se foram mais duas apresentações de Foi Coisa de Saci, uma na escola com gente miúda com olho estralado, será que é verdade? todo mundo querendo conferir de perto a garrafa. Alguém falou: – Eu vi! e pronto…sim, era mesmo verdade! a outra foi no auditório do Sesc Medianeira/PR, gente miúda, mãe, filho, avô e avó, pai e filho, todo mundo junto. De novo, aquela conferida na garrafa, “- mas moça, não consigo ver…” explico que tem que olhar com força, 5,10,15 pessoinhas em volta da garrafa apertando os olhos. Uma delícia de ver. No sábado 14/11 oficina de contação de histórias com professores e depois garrei na estrada de novo, caminho bonito no interior do Paraná, cidades onde já tinha passado no início do ano até chegar em Marechal Cândido Rondon/PR onde tenho o prazer de voltar pela terceira vez para uma semana de 12 apresentações. Não tem jeito mesmo, o caminho a gente descobre andando, as histórias crescem contando e a gente vai virando gente vivendo. viajar sozinho faz a gente fazer “amigos” no posto de gasolina, na pastelaria da esquina, na recepção do hotel, na fila do caixa do restaurante, sempre uma chegada e uma partida. Por hoje,dominguera, um chá de hotel e aquela ponta de saudade da minha gente…a foto não é de hoje…mas o horizonte…Em frente!

Feira do Livro de Balneário Camboriú/SC 2015
Feira do Livro de Balneário Camboriú/SC 2015

Nos dias 09 e 10/11 de 2015 realizamos 05 apresentações do espetáculo Esticando as Canelas – contos para enganar a morte na Feira do Livro de Balneário Camboriú…Foi bem bonito, e sobre a experiência, a contadora de histórias Josiane Geroldi escreveu um pequeno depoimento:

gosto assim…gente bem miudinha, pai, filhos, mãe e avó, escola, professores, estudantes, crianças, livreiros, leitores, gentes, o homem que passava na rua apressado e parou na porta pra espiar e demorou e demorou e só foi embora quando a história acabou. Um outro que insiste pra ele mesmo (ou pros outros?) que ouvir história é coisa de criança, mas vira e mexe espia e deixa o sorriso escapar… A menina que me olha com seus olhos cheios de entendimento e fala bem alto durante a história: – ahh eu entendi (vitoriosa nesse momento) o velhinho era…e antes dela completar a frase esperamos entrar um silêncio necessário, suspensão, ali que mora o tal do encantamento (?), não somos mais os mesmos, fomos todos atravessados.

Dá uma olhada nas fotos da Dagma Castro:

 

ContaCausos participa do Ecoh – Encontro de Contadores de Histórias de Londrina/PR
ContaCausos participa do Ecoh – Encontro de Contadores de Histórias de Londrina/PR

Começou neste sábado, (24/10/15), a 5ª edição do Encontro de Contadores de História de Londrina, o Ecoh. Um pouco diferente dos anos anteriores, a edição de 2015 é inteiramente viabilizada por financiamento colaborativo, por meio de campanha online que convidou o público a contribuir. Como retorno, os londrinenses poderão apreciar 13 dias repletos de contação de histórias para crianças e adultos, tardes de brincadeiras tradicionais, oficinas e outros eventos relacionados ao tema.

A Cia ContaCausos partipa pelo segundo ano consecutivo do Encontro, e neste ano com apresentações do espetáculo Foi Coisa de Saci no Teatro do Sesi no dia 27/10 às 14h30 e 20h. No palco, a história tem um pouco de mistério e outro tanto de de risada, e traz os causos de quem jura que viu, ouviu e até prendeu o Saci Pererê numa garrafa! Numa casa de caboclo, quando alguma coisa estranha acontece, as pessoas dizem que “Foi Coisa de Saci”

Além das atividades formativas e eventos paralelos, o grande objetivo do Ecoh é reunir experiências diversas em narração de histórias, além de apresentar ao público histórias orais de Londrina e outras cidades do Brasil. Este ano serão 15 histórias diferentes, apresentadas em praças, escolas e espaços culturais, destinadas a crianças e adultos de todas as idades.

Contacausos participa de gravações do “Documentário Bardo”
Contacausos participa de gravações do “Documentário Bardo”

Documentário resgata a arte de contar histórias

Contar histórias é uma prática antiga que, apesar do tempo, continua presente em muitas rodas familiares ou de amigos até hoje. No entanto, muito tem se perdido da narrativa oral, tanto o papel do contador quanto o fazer da contação. São poucas pessoas que mantêm o hábito e menos ainda as que vivem dessa arte. Com objetivo de ajudar a preservar esse saber milenar é que o acadêmico do 8º período de Jornalismo da Unochapecó Taulan Cesco resolveu produzir o documentário Bardo.

A proposta surgiu como Projeto Experimental (PEX) do curso. O propósito da disciplina é instigar o alunos a produzirem um produto midiático jornalístico. Taulan conta que a ideia veio até ele no fim de 2014, mas a decisão ocorreu na metade de 2015.

“Percebo que a narrativa oral tem sido pouco preservada e valorizada em sua totalidade. É claro, existem muitos contadores que se dedicam a perpetuar a prática, mas parece insuficiente”, afirma o estudante. Mais que isso, Taulan defende que há uma ligação de ser e estar entre a oralidade e homem.

“Historicamente, a comunicação (falada, escrita ou não-verbal) moldou o homem, esculpiu isso que somos. Então por que abandonar a contação, que é uma das representações da vida do homem?”, questiona.

Mais que contar

O nome “Bardo” remete ao povo ariano, que viveu há cerca de 2.000 anos a.C. onde hoje é a Europa central. Esse povo era muito propenso à oralidade, cantava e recitava lendas. A memória dos bardos, portanto, era considerada a sua “literatura viva”. E dar continuidade a isso é a maior finalidade do documentário.

“A contação de histórias tem um valor antropológico muito rico, porque o contar está muito além de apenas relatar histórias e causos. É através, também, da contação que o homem formar imaginários e vive a fantasia. Se nos foi permitido criar através da imaginação, devemos fazer jus a essa habilidade”, defende Taulan.

Fonte: http://revistaflashvip.com.br/documentario-explora-o-mundo-da-contacao-de-historias/

http://https://www.youtube.com/watch?v=dEoVEeN8oxs

12027606_478196719027727_8728798949313558398_n