Categoria: Ultimas Notícias – Contacausos

Causos dos caboclos nos Festivais de Inverno de Minas Gerais
Causos dos caboclos nos Festivais de Inverno de Minas Gerais

Os mais importantes eventos do calendário cultural brasileiro – os Festivais de Inverno de Minas Gerais – vão conhecer as expressões da cultura popular/oral cabocla do Sul do Brasil. A Cia ContaCausos apresenta, em julho, os espetáculos Visagem e Foi Coisa de Saci.

O primeiro encontro acontece em Ouro Preto, no dia 21 de julho, onde será apresentado o Visagem. A peça é resultado de um extenso trabalho de pesquisa, escuta e registro de narrativas orais sobre medo, visagens, seres mitológicos e aparições em comunidades tradicionais caboclas do interior de Santa Catarina. As experiências, causos, relatos, crenças, modos de vida e linguagem compilados através entrevistas, ganham vozes e imagens no espetáculo, que de maneira poética, proporciona experiências significativas de encontro da plateia com seus próprios medos.

Visagem. Foto: Louis Radavelli

Espetáculo Visagem. Foto: Louis Radavelli

Neste ano, o Festival de Inverno de Ouro Preto homenageia o Tropicalismo, movimento de inovação estética e musical que sacudiu o ambiente da cultura popular brasileira, entre 1967 e 1968. Os tropicalistas deram um histórico passo à frente na lógica da produção brasileira. O cenário musical pós-bossa nova e a definição de “qualidade musical” no país estavam cada vez mais dominados pelas posições tradicionais ou nacionalistas. Contra essas tendências, o grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial, como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica.

Em seguida, a Cia ContaCausos arruma as malas e viaja para São João Del Rei, onde compartilha, no dia 25 de julho, o espetáculo Foi Coisa de Saci. A peça faz um passeio pelos causos da gente brasileira que jura que viu, ouviu e até já prendeu o danadinho na garrafa. Acontece que ele é filho do mistério, filho do vento gira e assobia, filho das sombras que formam figuras lá no fundo da floresta, filho do medo e da assombração. Numa casa de caboclo, quando alguma coisa estranha acontece, as pessoas dizem que Foi Coisa de Saci.

Espetáculo Foi Coisa de Saci. Foto: Pedro N. Prata

Espetáculo Foi Coisa de Saci. Foto: Pedro N. Prata

O Inverno Cultural, promovido pela Universidade Federal de São João Del Rei, existe há 30 anos com a intenção de promover a formação cidadã pelas artes, democratização do acesso à cultura, a convivência com a comunidade e valorização da cena artística.

 

PROGRAMAÇÃO
Ouro Preto
Espetáculo: Visagem
Dia: 21 de julho, às 19h
Local: Casa de Gonzaga / Secretaria de Turismo

São João Del Rei
Espetáculo Foi Coisa de Saci
Dia: 25 de julho, às 16h
Local: Centro Cultural UFSJ

‘Visagem’ integra programação da 18ª Mostra EnCenaCatarina
‘Visagem’ integra programação da 18ª Mostra EnCenaCatarina

“Desce… desce mais um tanto. Aí vem o mato, a noite, a curva, a sombra, a lua e você… Você sozinho na estrada. Você… e o medo”. A Cia Contacausos esteve no litoral catarinense para compartilhar os causos dos caboclos do Oeste. O espetáculo Visagem integrou a programação da segunda etapa da 18ª Mostra EnCena Catarina, realizada pelo Sesc de Santa Catarina.  

“Muito agradecidos ao Sesc Santa Catarina pela confiança e oportunidade. Participar do maior projeto de circulação de espetáculos do Estado contando as histórias da nossa caboclada nos deixou muito felizes”, agradece a contadora de histórias, Josiane Geroldi. O espetáculo foi apresentado no início de julho em quatro municípios: Tijucas, Palhoça, Tubarão e Criciúma.

Depois de subir ao palco, houve a oportunidade de compartilhar as informações sobre a produção da peça. Josiane dividiu com o público as pesquisas e as temáticas abordadas em cena. Em cada município também apresentaram-se os espetáculos “Das Águas”, da Cia Carona de Teatro (de Blumenau) e “Para Contar Estrelas”, do Grupo Cirandela (de Criciúma).

Visagem é o resultado do trabalho de pesquisa realizado pela Cia ContaCausos.  Em cena, as experiências, causos, relatos, crenças, modos de vida e linguagem compiladas através de investigação e entrevistas com moradores no Oeste catarinense ganham vozes e imagens. De maneira poética, o espetáculo procura difundir e estimular o reconhecimento das expressões da cultura popular/oral cabocla do Sul do Brasil.

Mostra EnCenaCatarina

Há 18 anos na estrada, a Mostra EnCenaCatarina fomenta e valoriza a cultura local. A cada ano, são escolhidos para compor o circuito trabalhos de grupos e/ou artistas catarinenses com espetáculos ou performances de teatro, circo ou dança.

Em 2018, o Sesc aprofundou o olhar sobre os diferentes públicos e produções artísticas do Estado, com uma novidade: a seleção de outros seis espetáculos para a abertura da mostra em cada uma das etapas. Desta forma, ampliou a participação de artistas catarinenses no projeto e valorizou as diferentes potencialidades de cada localidade.

“Imagina Só” circula o Brasil com o projeto Arte da Palavra
“Imagina Só” circula o Brasil com o projeto Arte da Palavra

A próxima parada da Cia Contacausos é no Mato Grosso do Sul. Josiane Geroldi e Paulo Freire levam até os municípios de Campo Grande e Corumbá, nos dias 17 e 19 de julho, o espetáculo Imagina Só – causos, canções e ponteados de viola, que circula o Brasil através do projeto Arte da Palavra, realizado pelo Sesc nacional. O espetáculo já foi apresentado na Bahia e no total estão programadas 23 apresentações nos estados do Mato Grosso, Espírito Santo e Piauí.

O espetáculo de narração de causos e viola “Imagina Só” é um convite para fechar os olhos e se sentir no voo dos papagaios, desde as Veredas do Urucuia até as barrancas do Rio Uruguai. “Dona Jô e Nhô Paulo esperam o público sentados num terreiro de casa na roça. Desfiam um novelo de causos, um arremedando o outro. Contam sobre o baile dos capetas graduados, o primeiro saci que despencou na terra, as roupas desventindo as gentes na casa de dona Bastiana, como a família do Chico Santos virou o bando de passarinho Tangará, e mais um bocado de assunto. Os causos vem entremeados por canções e ponteados de viola”, sintetiza a cia ContaCausos.

Imagina Só nasceu em 2016 quando os dois artistas decidiram reunir os causos ouvidos ao longo dos anos encontrando poesia nas coisas simples e ouvindo relatos de gente do campo e da cidade. É uma livre narrativa das tradições orais brasileiras que teve sua estreia no Boca do Céu – Encontro Internacional de Contadores de Histórias, em São Paulo/SP, durante o espetáculo de abertura do Encontro no Auditório Oscar Niemayer no Ibirapuera.

Arte da Palavra

O Arte da Palavra é um circuito atuante em todas as regiões do país que estimula a formação de leitores e a divulgação de novos autores, além de valorizar obras e escritores brasileiros e as novas formas de produção e fruição literária. Com um circuito de autores e outro de apresentações que privilegiam a oralidade, pretende-se que diversas possibilidades de manifestações literárias sejam contempladas. Como ação de complemento formativo, é oferecido também um circuito voltado para a reflexão e criação literária. Em curadoria coletiva, realizada por especialistas do Sesc de todo o país, são selecionados os artistas que participam do projeto.

PROGRAMAÇÃO

Campo Grande – 17/07

Sesc Cultura (sala de audiovisual)

Av. Afonso Pena (entre as Ruas 13 de Maio e Rui Barbosa)

Centro, Campo Grande- MS

Horário: 19h

Valor: Gratuito

Corumbá – 19/07

Praça Céu

Jardim dos Estados, Corumbá- MS

Horário: 15h30

Valor: Gratuito

Corumbá – 19/07

Sesc Corumbá

Rua 13 de junho, 1703

Centro, Corumbá – MS

Horário: 19h30

Valor: Gratuito

MARACÁ: Cia apresenta novo espetáculo de contação de histórias
MARACÁ: Cia apresenta novo espetáculo de contação de histórias

 

Pela sexta vez, a Cia ContaCausos participou da Semana Literária Sesc Paraná, que neste ano chegou a sua 36ª edição. Um dos eventos mais importantes da área de literatura no Brasil, a Semana Literária foi realizada em 23 cidades paranaenses de forma simultânea.

Com o tema “Literatura e(m) Movimento: travessias do tempo e do espaço”, o evento contou com palestras, oficinas, lançamentos e encontros para refletir literatura e a maneira como ela transita no tempo e espaço. Promovida pelo Sesc em Toledo (PR), a Semana foi realizada entre os dias 18 e 23 de setembro. 

maraca - sesc 2 - Lysiane Baldo

Inclusive, a Semana Literária foi palco do mais recente espetáculo de contação da ContaCausos, chamado “Maracá”. O novo trabalho da Cia reúne histórias onde a cabaça (porongo) é o elemento central da narrativa. Ficou com curiosidade? Pois bem, “Maracá” refere-se ao instrumento musical, utilizado em muitas tribos indígenas para rituais e cerimônias tradicionais. Para a etnia Tupinambá, o maracá é muito simbólico. Dizem que quando o instrumento é tocado, a voz dos ancestrais pode ser reproduzida, tornando-o um elemento sagrado.

Muitos contos apresentam a cabaça como instrumento místico ou simbólico. Exemplo disso é o conto sobre o primeiro contador de histórias. Na narrativa de origem africana, o pássaro marabu anotava todas as histórias do mundo. Mas para torná-las memória e não perdê-las, o primeiro buscador de histórias as colocou numa cabaça, e ao beber as histórias da cabaça, ele resolveu o problema. Assim, poderia guardar as histórias em si e contá-las aos demais.

Encontros e histórias

Ao todo, Josiane Geroldi, idealizadora da ContaCausos, realizou 12 apresentações durante a Semana Literária em cinco cidades participantes. Como lembra a contadora, a literatura oral costuma trazer grandes cargas do que somos e de como somos. E isso, segundo ela, depende do tempo, do modo e do sentimento de quem ouve. Ou seja, “as narrativas atuam como pontes construídas pela figura do contador. Nós conduzimos quem ouve, mas é o ouvinte quem faz sua busca pelo o que é narrado”.

Narrar sobre porongos é um tanto quanto poético. Isso porque, o elemento parece ser o recipiente que gera a reunião, através da cuia, do “pote” que alimenta, do berimbau nas rodas de dança, do lugar onde se guarda histórias… Além disso, é rodeado de misticismo e crenças em muitas culturas e etnias por todo o mundo. Se quiser saber mais sobre o espetáculo Maracá, entre em contato conosco! E nos acompanhe pelas redes sociais.

.
Fotos: Lysiane Baldo/Facebook

As origens do culto de Cosme e Damião
As origens do culto de Cosme e Damião

Júlio Cesar Tavares Dias

“Aqui queremos lembrar Dois Dois a biografia Pouco vamos encontrar Porque pouco se escrevia O que pude pesquisar Só resolvi publicar Porque muitos me pediam” Frei Urbano de Souza (1991, p. 7)

Resumo

Cosme e Damião são santos católicos que foram médicos. Eles teriam exercido a medicina sem nunca cobrar nada, por isso são chamados de “anargiros”, ou seja, que não são comprados por dinheiro. São mártires, mortos por não se curvarem diante dos deuses pagãos, tendo sido acusados de “inimigos dos deuses”. A devoção a Cosme e Damião é antiga no Brasil. Já em 1535 foi construída a primeira igreja em homenagem aos gêmeos na cidade de Igarassu, Pernambuco, após os portugueses terem vencido os índios caetés. Nossa comunicação objetiva investigar as origens desse culto e historiar a chegada da devoção ao Brasil com a construção da igreja dos gêmeos em Igarassu.

Primeiras palavras 

Nós compartilhamos o sentimento de Frei Urbano de Souza expresso nos seus versos de cordel que vêm à epígrafe deste artigo. No Brasil existe a prática de distribuir balas e doces como pagamento de promessas aos Santos Cosme e Damião, padroeiros das crianças. Em 2010, quando resolvemos escrever sobre este tema (Dias, 2010), frisávamos que o modo de distribuir o doce de Cosme e Damião vem sofrendo mudanças devido à recusa dos evangélicos em receber o doce. Mas, além do fato de que Cosme e Damião foram sincretizados no Brasil com os Ibeji e que os evangélicos rejeitavam o doce justamente por conta desse sincretismo, praticamente nada sabíamos sobre essa devoção e suas origens. Pesquisar as origens do culto desses santos é encarado por nós, então, como um desafio.

Celeno de Figueiredo (1953, p. 5), na introdução de sua obra, afirma que escrever sobre os santos gêmeos é um desejo da mocidade, não realizado há mais tempo, “em virtude da inegável escassez de literatura”. Acreditamos que, ainda hoje, embora passadas décadas desde o seu trabalho, há escassa biografia sobre esse tema em relação à força que essa devoção continua demonstrando no Brasil.