Twitter response:

Tag: narração de histórias

ContaCausos apresenta Puravida no ‘Ensaio Aberto’, nesta sexta-feira
ContaCausos apresenta Puravida no ‘Ensaio Aberto’, nesta sexta-feira

 

Foi através da leitura, e inspirada por histórias e contos sobre feminilidade e sabedorias femininas, que a atriz e contadora de histórias Josiane Geroldi, criou um novo espetáculo de narrativas da Cia ContaCausos: o Puravida. A ideia surgiu após um convite para uma sessão de contos em uma exposição sobre a violência contra a mulher, realizada pelo Gapa, no início do ano. Há alguns anos, Josiane vinha fazendo leituras sobre acerca da sabedoria e ancestralidade femininas. Acabou que “uma coisa levou à outra” e ela decidiu, então, pela montagem do espetáculo.

“Eu sinto a necessidade de fazer com que as pessoas também se encontrem através das histórias, assim como eu tenho o feito”

Esta será a segunda vez que a contadora apresenta “Puravida”, ainda em processo de concepção e pesquisa. A intenção do “Ensaio Aberto”, promovido pelo Sesc, é possibilitar aos artistas oportunidades de explorar novas propostas cênicas, musicais e visuais, como forma de experimentação do trabalho criativo. O espetáculo será apresentado na sexta-feira (14), às 19h30, no Teatro do Sesc, em Chapecó.

02 Puravida - Angélica Lüersen

“As histórias apresentadas me tocam de forma muito profunda, muito singular. E eu senti a necessidade de fazer com que as pessoas também se encontrassem através dessas narrativas, assim como eu tenho o feito”, revela Josiane, idealizadora da ContaCausos. Isso porque, ela tem vivido um processo de entendimento como contadora de histórias e mulher, de procurar quem ela é o que quer dizer enquanto artista.

Velha, Bruxa, Sábia…

São várias as narrativas que compõem “Puravida”, todas sobre mulheres empoderadas, estabelecendo a figura feminina como protagonista da ação, onde ela resolve situações de sua comunidade e é detentora de conhecimentos. Ou seja, distanciando a mulher do papel fantasiado em que ela espera pelo príncipe. Além do trabalho de pesquisa, este condensa experiências pessoais, como lembra a atriz. “Eu senti a necessidade de fazer com que as pessoas também se encontrem através das histórias, assim como eu tenho o feito”.

O Teatro do Sesc fica na rua Brasília, 475D, no bairro Jardim Itália. A classificação do espetáculo é de 10 anos e os ingressos (limitados – 40 lugares) serão distribuídos meia hora antes do evento, com entrada franca.

 

Fotos: Angélica Lüersen

ContaCausos: Sarau, histórias de Saci e “Visagem” em Lages
ContaCausos: Sarau, histórias de Saci e “Visagem” em Lages

Foram dois dias de narrativas e causos em Lages. No primeiro dia, o público assistiu ao espetáculo “Visagem”, no Centro Cultural Vidal Ramos, administrado pelo Sesc da cidade. Ambientado no prédio centenário, o ritual para evocar as histórias passou pelos corredores escuros e subsolo até chegar à sala onde as histórias sobre visões e aparições recorrentes no Oeste catarinense foram contadas.

No segundo dia, além de um sarau com violonistas e narradores de histórias dividirem causos tradicionais da cultura popular, Josiane Geroldi apresentou o espetáculo “Foi Coisa de Saci”. A passagem por Lages encerrou a circulação que passou por outras quatro cidades de Santa Catarina.

 

VEJA TAMBÉM

Contação de histórias: Araranguá

Contação de histórias: Tubarão

Contação de histórias: Criciúma

 

Confira a galeria!

(Fotos: Carolina Boufleuer Florêncio e Taulan Cesco)

 

ContaCausos: Tubarão recebe “Foi Coisa de Saci” e noite do conto
ContaCausos: Tubarão recebe “Foi Coisa de Saci” e noite do conto

A Maratona de Contos em Tubarão renuiu públicos de diversas idades e em diferentes em ambientes para assistirem ao espetáculo “Foi Coisa de Saci”. Começou pela manhã, em visitação por duas escolas da cidade, à tarde a unidade do Sesc recebeu outras duas turmas e à noite houve o encontro de Josiane Geroldi com o contador de histórias Sergio Carneiro Bello (de Florianópolis).

Ambos os contadores apresentaram narrativas de seus repertórios e dialogaram com o público, na Biblioteca do Sesc, sobre as práticas da oralidade. Em conversa aberta, ressaltou-se essencialmente o fator simbólico das narrativas como arte do patrimônio imaterial da cultura popular.

 

VEJA TAMBÉM

Contação de histórias: Araranguá

Contação de histórias: Lages

Contação de histórias: Criciúma

 

Confira a galeria!

(Fotos: Assessoria de Imprensa/Taulan Cesco)

Gestor Box