Twitter response:

Tag: causos

A sabedoria dos contos de fadas
A sabedoria dos contos de fadas

Armindo Teixeira Mesquita

UTAD (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal) e Presidente do OBLIJ (Observatório da Literatura Infanto-Juvenil)

 

Sempre que se conta um conto de fadas, a noite vem. Não importa o lugar, não importa a hora, não importa a estação do ano, o fato de uma história estar sendo contada faz com que um céu estrelado e uma lua branca entrem sorrateiros pelo beiral e fiquem pairando acima da cabeça dos ouvintes.

Clarissa Pinkola Estes

 

Introdução

A arte de contar histórias é remota. Encontramo-la em todas as partes do mundo. Aliás, nos velhos tempos, as pessoas do povo sentavam-se, sobretudo aos serões, à volta da fogueira para descansar do árduo trabalho diário, para conversar e para contar histórias.

Sabe-se como é importante para a formação da personalidade da criança ouvir muitas e belas histórias. Pois, escutar histórias é uma das primeiras experiências literárias do ser humano. Quando a criança escuta um conto, a sua mente está a produzir outro. Isto vem reforçar a ideia de que, por um lado, a narrativa oral opera como um veículo de emoções e, por outro lado, inicia a criança na palavra, no ritmo, nos símbolos, na memória, desperta a sensibilidade, conduzindo à imaginação através da linguagem global. Neste sentido, a literatura apresenta-se como meio de manifestação de cultura.

Durante séculos, a aprendizagem fazia-se através da transmissão oral, porque não havia livros, nem a infância era concebida como hoje. Os valores, os costumes e as regras sociais eram transmitidos, graças aos mitos, aos contos e a outras formas de comunicação oral.

Com o aparecimento da imprensa, em meados do século XV, criou-se um novo mundo simbólico e uma nova tradição: a leitura, já que os jornais e os livros tornaram-se os grandes agentes culturais dos povos. As fogueiras foram ficando para trás. Os velhos contadores de histórias foram sendo esquecidos. No entanto, as histórias continuam associadas à nossa cultura, através dos livros e das suaves vozes das mães e das avós, para encantamento das crianças.

O conto de fadas (literário) surgiu na Europa da Idade Moderna como tradição oral levada ao público infantil. As histórias eram contadas de um adulto para uma criança, registrando lições, experiências, em que geralmente os heróis superavam situações desfavoráveis através de algum segredo mágico. Por se tratar de narrações fictícias, as ações dos contos de fadas desenrolam-se em países imaginários, povoados por objetos e personagens mágicos e estranhos, onde o narrador e o seu público não acreditam na realidade da história.

A grande aceitação do conto de fadas teve, pelo menos, duas consequências importantes sobre a evolução da literatura infantil. Em primeiro lugar, impôs o predomínio do lúdico sobre o instrutivo. Em segundo, contribuiu para a definição de um género especificamente voltado para as crianças.

CONTINUE LENDO O ARTIGO…

 

Ilustração: Warwick Goble (1923)

Josiane Geroldi e Paulo Freire apresentam espetáculo “Imagina Só”
Josiane Geroldi e Paulo Freire apresentam espetáculo “Imagina Só”

 

Parceria dos contadores reúne causos, viola e contos populares

Se há algo em comum no trabalho da contadora de histórias Josiane Geroldi e do violeiro Paulo Freire é o encantamento pelo imaginário popular. Há quem diga, inclusive, que imaginário é somente um palavra, pois lobisomem e saci existem. E dessa parceria entre os contadores, surgiu o espetáculo de narrativas “Imagina Só”.

texto

Os dois se apresentaram pela primeira vez juntos em 2016, durante o Encontro Internacional de Contadores de Histórias (Boca do Céu), em São Paulo. A parceria deu certo e ambos decidiram reunir os causos novamente. O repertório é baseado em causos  e mitos populares brasileiros e une a narração de Josiane com a viola e os causos de Paulo Freire, ou melhor, Dona Jo e Nhô Paulo.

Como lembra Josiane, “tradicionalmente, as histórias eram contadas em rodas de fogueira ou acompanhadas de música, viola caipira, nos serões ou junto à família”. E a intenção é justamente esta, levar às pessoas experiências e sentimentos, seja o humor, o medo, a alegria. “Em especial, queremos aproximar o público da identidade cultural e do folclore através das narrativas orais”, afirma a contadora.

Paulo Freire é escritor, músico e contador de histórias com mais de 20 anos de experiência. Sua carreira solo como compositor e cantor começou em 1995. Ao longo dos anos, Paulo contribuiu e produziu outros discos e trabalhos para a televisão, cinema e séries. Já publicou seis livros autorais e colaborou com outras duas publicações. Seu repertório como contador passeia entre os causos caipiras, folclóricos e contos da oralidade popular brasileira.

texto s

Quem conta um conto…

“Imagina Só” é um convite para fechar os olhos e se sentir no voo dos papagaios, desde as Veredas do Urucuia “inté” as barrancas do Rio Uruguai, brincam os contadores. E quem se programar, terá a chance de vê-los juntos. A partir do dia 06 de agosto, o espetáculo circulará em oito cidades de Santa Catarina. A circulação é uma parceria entre os contadores de histórias e as unidades do Sesc no estado. Veja abaixo a programação ou acompanhe no site do Sesc os locais das apresentações.

Programação

06/08 – Sesc São Miguel do Oeste

07/08 – Sesc Concórdia

08/08 – Sesc Xanxerê

10/08 – Sesc Chapecó

12/08 – Sesc Joaçaba

13/08 – Sesc Lages

14/08 – Sesc Blumenau

16/08 – Feira do Livro de Pouso Redondo (Sesc Rio do Sul)

 

Fotos: Pedro Napolitano Prata

15 livros e vídeos (em Libras) para montar sessões de histórias
15 livros e vídeos (em Libras) para montar sessões de histórias

 

Que tal aumentar o repertório com histórias e, além disso, ter referências para montar os cenários? Não é o bastante? Para melhorar, os vídeos de contação estão legendados em Libras (Língua Brasileira de Sinais).

Iniciativa da Fundação Educar DPaschoal, a coleção “Histórias Para Contar” reúne contos, livros, vídeos e tutoriais para montar sessões de contação.

A série apresenta alternativas práticas de apoio à contação, fazendo uso de materiais e objetos do dia-a-dia. Inclusive, pode ser criado com as crianças. Os vídeos podem ser apresentados em sala de aula ou servir como ferramenta de estímulo à criação e imaginação.

Abaixo, disponibilizamos o arquivo em PDF para download e os links dos vídeos. Agora, é só compartilhar todo esse material!

 

Fonte: Fundação Educar DPaschoal


JOÃO DA ÁGUA

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial

 

A SEMENTE DA VERDADE

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial 

 

TIRRIM E COCORICÓ

Baixe o livro em PDF

Veja o tutorial

 

O DINHEIRO QUE CAIU DO CÉU

Baixe o livro em PDF

Veja o tutorial 

 

A CUMBUCA DE OURO

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial 

 

AS ESTRADAS DE COURO 

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial 

 

A FORMIGA E A MOSCA

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial

 

LIÇÃO DE VOO

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial 

 

AS TRÊS PERGUNTAS DO REI 

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial 

 

O LIVRO QUE QUERIA SER BRINQUEDO 

Baixe o livro em PDF 

Veja o tutorial

 

A HISTÓRIA QUE MORA NAS COISAS 

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial

 

A GALINHA QUE SABIA LER

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial

 

O LIVRO QUE NÃO TINHA FIM 

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial

 

O PÁSSARO SEM COR

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial 

 

O VESTIDO AZUL

Baixe o livro em PDF  

Veja o tutorial 

 

Histórias Pra Contar: O Sal e o Rei
Histórias Pra Contar: O Sal e o Rei

Num reino nem tão distante, havia um velho rei que tinha três filhas muito belas. Certo dia, o rei perguntou a cada uma delas:
– Quanto você ama seu pai?

A mais velha foi a primeira a responder:
– Quero mais a meu pai do que a luz do Sol.

Em seguida, a irmã do meio respondeu:
– Gosto mais do meu pai do que de mim mesma.

A mais jovem foi a última a responder:
– Quero-lhe tanto como a comida quer o sal, meu pai!

O rei achou estranho aquela resposta. E entendeu que sua filha mais nova não lhe amava quanto as demais. Decidiu que ela deveria ir embora, que não poderia morar com eles, e expulsou a menina do palácio.

A jovem princesa ficou muito triste e nem pôde se despedir das irmãs. Andou por muitos caminhos e riachos, até chegar ao castelo de outro rei. Chegando lá, pediu um lugar para morar e em troca seria a cozinheira do palácio. O rei aceitou e assim ela continuou, cozinhando e morando novo castelo.

Num dia, chegou à mesa uma grande panela de guisado, muito bem feito. O serviu-se e quando levou a colher à boca quase engoliu um anel de ouro. Irritado, perguntou a todas as damas da corte de quem era aquele anel. Todas as mulheres tentaram colocar a joia no dedo, mas não servia em nenhuma delas. Chamaram a princesa cozinheira e nela o anel encaixou.

O príncipe se apaixonou pela jovem e notou que aquela joia só poderia ser de alguém da realeza. Imaginou que a moça era de família nobre. O príncipe passou a espiar a princesa, porque a jovem cozinhava somente às escondidas. Foi quando ele a viu vestida em trajes nobres e soube que ela era princesa. Chamou o rei, seu pai, para que ele também visse. O príncipe pediu a mão da jovem em casamento e o rei deu licença para os dois casarem. A princesa impôs uma condição: ela queria cozinhar o jantar da festa de noivado. O rei disse que tudo bem e assim aconteceu.

No dia do noivado, muitos rainhas e reis foram convidados. O pai da menina, que a expulsou de casa, e suas irmãs também foram à festa. Na hora do jantar, todos estavam servidos e comendo à mesa. Mas a princesa decidiu não colocar sal no prato de seu pai. Os convidados se esbanjavam com o banquete, mas somente o pai da princesa não comia. O pai do príncipe estranhou e pediu:
– Rei amigo, por que sua alteza não está comendo conosco?

O rei respondeu, sem saber que se tratava do casamento da filha:
– É porque a comida não tem sal, caro amigo.

O pai do noivo ficou furioso e pediu que a cozinheira viesse explicar por que o prato do Rei amigo não estava salgado.

Veio, então, a jovem princesa. Quando seu pai a viu, reconheceu a filha e logo confessou sua culpa, muito arrependido do que havia feito. Ele pediu desculpas por não ter percebido quanto era amado pela sua filha. Lembrou que a moça lhe tinha dito que lhe amava tanto como a comida quer o sal. E redimiu-se em frente de todos.

Ilustração: Helena Heleno

Versão adaptada do conto original escrito por Teófilo Braga (Contos Tradicionais do Povo Português, 1883), recorrente desde a colonização portuguesa.
Gestor Box